Skip to content

>O Aprendiz Universitário – Episódio 4

April 28, 2010

>

Melhor episódio até agora! Brigas, intrigas, choro, drama, saaaangue!

Começou com as equipes sendo chamadas ao prédio da Nestlé. Minto, começou com uma retrospectiva e um chororô danado, cujo climax foi Nathália dizendo que não aguenta mais ver sua mãe sair para trabalhar para pagar o aluguel.

Eu trabalho para pagar aluguel. Todo mundo que aluga qualquer coisa trabalha para pagar. E nem por isso meus filhos estão chorando em um reality show. Aff, deixa para lá. Ao menos foi rápido.

Bom, as equipes foram ao prédio da Nestlé, e cada uma escolheu seu líder. A Up escolheu Samara e Conrado, que vivem dando pitaco em tudo, mesmo. A Avant escolheu Natália Nohra (como assiiiim???) como líder e Rodrigo como auxiliar. Vamos lembrar que Natália Nohra é a rainha das idéias descabidas, como aquele teatrinho ridículo na tarefa do Corpo dos Bombeiros, e já esteve na sala de reuniões para ser demitida. Além disso, no episódio passado, em que ela foi vice do Ramon, os dois cometeram erros graves e não puderam viajar para Miami junto com os outros integrantes da equipe, mesmo tenho ganhado a tarefa.

Em seguida, como a Avant possuía sete integrantes e a Up, cinco, João Dória pediu que Natália escolhesse alguém da sua equipe para ir para a outra. Ela podia ter escolhido o desastre do Ramon. Podia ter escolhido Nathália ou Danny, que pouco contribuiram ou mesmo abriram a boca até agora (pouco no caso da Nathália; Danny, até o programa de hoje, eu achava que fosse mudo). Mas ela escolhe Rodrigo Solano, a única criatura com iniciativa e criatividade (voltada para o bem, diferente de Natália Nohra) na equipe.

A Tarefa: Divulgar o Nescafé Dolce Gusto e a respectiva máquina como uma opção diferente e irreverente para o Dia das Mães em um trailer da Avenida Paulista. Decoração e abordagem estavam a cargo de cada equipe, claro.

A Avant teve a criativa idéia (NOT!) de decorar o trailer como uma casa, para mostrar que a máquina de Nescafé ficava bem na casa das pessoas. Natália Nohra contratou decoradores para o trailer, e disse para eles que queria gastar 3 mil com a decoração, o que terminou sendo 80% da verba disponível para a campanha. Criaram também um concurso cultural (sim, eles são obcecados por concursos culturais), em que o público responderia a incrível pergunta: “Por que a sua casa merece Dolce Gusto?” para concorrer a três máquinas.

Enquanto isso, Rodrigo Solano, Aquele-que-Natália-Nohra-Não-Quis, teve a idéia de se vestir como um coração gigante onde estava escrito “A mamãe merece” e a logo da Dolce Gusto, e tirar fotos instantâneas com as pessoas. As fotografias eram colocadas em um frame onde estava exposta a marca da Dolce Gusto e as xicrinhas de Nescafé. Além de concorrerem a uma das máquinas (óbvio, concurso cultural) e serem levadas para casa juntamente com a marca, é claro que ninguém jogaria fora a própria foto. A Up também usou o dinheiro que NÃO foi gasto em decoração comprando camisetas, copos, guardanapos, mais uma máquina… enfim, coisas práticas.

A Execução

Funcionários da Nestlé à paisana foram conferir o que estava rolando na Avant. Para início de conversa, os decoradores não terminaram o que tinha de ser feito a tempo e eles começaram com um atraso de 1 hora e meia. Ramon não sabia dizer quanto custava a caixa de cápsulas e nem onde era vendida e um dos logos da Dolce Gusto estava de cabeça para baixo. Quando Dória chegou, Natália Nohra falou que mais de 700 pessoas haviam passado pelo trailer (mentira) e estufou o peito para dizer que tinham feito a decoração, ao que Dória respondeu: “Está horroroso!”. Tinha até carpete dentro do trailer, o que até eu, que sou uma negação em negócios e tarefas domésticas, sei que não tem o menor cabimento em um ambiente de cozinha. Deixaram uma tigela de biscoitos para serem simpáticos com os clientes, mas, segundo o Dória, estava parecendo comida de cachorro, além de não ser higiênico deixar comida exposta o dia inteiro (tigela, aliás, que foi dada para a Nestlé para colocar as cápsulas de Dolce Gusto, que terminaram espalhadas sobre o balcão). Isso sem falar no lixo, cupons do concurso cultural, copos e logos espalhados por toda parte. A fila também estava desorganizada, levando de 30 a 35 minutos. Você esperaria 35 minutos para tomar café? NOT! Nesse tempo, eu chegaria em casa e faria meu próprio café. E, como o dinheiro foi gasto com a decoração pavorosa e eles não puderam comprar mais máquinas, uma delas quebrou e tiveram de sair às pressas para comprar outra, meia hora antes do evento terminar. Tiro de misericórdia: Ramon não deixou um deficiente físico passar a frente na fila. No fim, eles só serviram café, e serviram mal.

A Up falhou com os funcionários também, pois não soube informar a quantidade ideal de água para o preparo da bebida, embora ao menos soubesse responder sobre as cápsulas, e a demora fez com que a representante da Nestlé passasse muito tempo esperando. João Dória fez recomendações sobre a higiene ao mexer com produtos alimentícios, o lixo estar cheio e os fios expostos da televisão. Samara Generala consertou todos os erros imediatamente e, quando Cris Arcangeli chegou, a conselheira ficou só babando o coração gigante.

A Equipe Vencedora

Surpresa… UP!, cujo único ponto negativo foi ter dado cápsulas de brinde, quando as pessoas ainda não tinham a máquina para transformar cápsula em café. Ganharam um passeio até a fábrica da Nestlé na Suíça! Enquanto isso, nem associar a Dolce Gusto ao Dia das Mães a Avant conseguiu. A idéia do coração fez tanto sucesso que a Nestlé decidiu adotá-lo nas próximas campanhas, e Rodrigo Solano viajou na classe executiva.

E, enquanto a Up esquiava na Suíça, Natália Nohra aplicou a lição número um da Escola Gabriela de Incompetência: jogar a culpa no vice-líder e dizer que ele não ajudou e não foi pró-ativo.



A Sala de Reuniões

Foi um banho de sangue.

Tinha VTs! VT de Ramon destratando o deficiente, e VT da Avant dando gargalhadas no hotel após a derrota. Para justificar a alegria, Danny, que não abre a boca para nada, resolveu fazê-lo para soltar a seguinte pérola: “Nós estávamos felizes com a vitória da outra equipe.” Dória falou que se alguém da equipe dele fizesse isso ao invés de pensar nos próprios erros estava demitido (ui). Aliás, Dória estava em ótima forma. Chamou Natália Nohra de mentirosa por ter dito que 700 pessoas haviam passado pelo trailer. Tipo, passar pela rua não significa passar pelo trailer, ou estou errada? Natália começou a chorar e pedir desculpas, dizendo que não foi mau caratismo, depois disse que nem todos que estiveram ali preencheram o cupom, e foi cortada com um: “Você está se desculpando ou se justificando? Naquele momento você mentiu. Quem não fala a verdade, mente.” Quando Ramon é questionado por não ter dado prioridade ao deficiente físico, ele respondeu que não percebeu de imediato que o homem era portador de necessidades especiais, pois ele estava usando APENAS uma bengala (juro que se estivesse naquela sala eu não teria conseguido controlar o riso). Dória mandou rodar o VT (yesss! Amooo VT!!!), e aparece Ramon falando que ia fazer um copo pro homem, para ele esperar do lado (como se fosse um mendigo) e o homem respondendo: “Não quero mais por causa da forma que você me tratou. Eu era igual a você, agora olha como eu fiquei.” Como diria a galera do RSFD: BANG! Que fique registrado que Ramon quase chorou também.

Então chegou a hora do vice-líder. Ele começou reclamando dos concursos culturais. O uso de pessoas para ler e selecionar as frases fez com que faltasse mão-de-obra (e foram três concursos). Natália Nohra justificou com a voz trêmula que Rodrigo saiu para o banheiro e almoçar, enquanto isso ela trabalhou com o mesmo número de pessoas que ele e se saiu muito bem. Ela não comeu, perdeu 2,5 kg, ficou doente… coitadaaaaaa (NOT!). Sério. Mulher louca. David Barioni também ressaltou o fato de que Natália saiu com a equipe, deixou Rodrigo sozinho no hotel e não participou a ele as decisões, matando, assim, a liderança participativa e as esperanças de Natália de se safar jogando a culpa no vice-líder. Cris Arcangeli levantou a questão da desorganização do grupo desde a primeira tarefa, e a incapacidade até de entender o briefing. Mas quem selecionou essas pessoas?!?!

E a Natália Nohra é tão burra, tão burra, que chamou Rodrigo e Nathália para voltarem com ela para a sala de reuniões. O único erro de Nathália foi querer terminar o evento mais cedo quando a máquina quebrou. Se não fosse Barioni e Chris, Ramon-Não-Sei-Responder-Pergunta-Alguma-E-Destrato-Deficientes-Físicos estaria descansando no hotel.

E entre frases inacreditáveis como “entrei uma menina e saí uma mulher” e “desabrochei neste programa”, Natália Nohra foi demitida.

____
Mari @mari_gmonteiro
Leave a Comment

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: