Skip to content

>Retrospectiva BBB10 – Tessália

March 30, 2010

>

Alguém aqui já fez um estudo de face? Expressão mesmo. Choro, riso, dor, fome, saudade, impaciência? Tenho uma sugestão quando quiserem fazer um. Peguem esse rosto:
Ele não vai te enganar.
É curioso falar da eliminação da Tessália no terceiro paredão se eu tive que escrever o nome dela em TODOS os resumões. Se a cada movimento no jogo seu nome era lembrado. Por eles lá dentro e, com pesar, por nós aqui fora.
A Tess foi um tipo de BBB que a gente nunca viu e que dificilmente outro competidor (em mais dez outras edições) se arriscará a ser. A Tess jogou comigo. Jogou com você.
Foi narradora do jogo em que só a gente era onipresente. Só nós podemos saber os passos de todos os confinados, a nós são dadas 50 câmeras e quem é essa petulantezinha para querer nos dizer o que está na nossa cara e não queremos admitir?
Essa foi a Tessália que viveu em três semanas MUITO mais do que viveram Fernanda e Cadu. Finalistas estes que até hoje não se sabe como se escreve o nome do último, se com K ou com C.
Tessália foi a aposta de Boninho que deu certo lá dentro. Que colocou TODOS os blogs de BBBólogos em seu favor, que mostrou o jogo como era jogado, que como eu disse no dia em que pedi sua permanência no jogo, foi nossa cúmplice.
Mas Tessália foi convidada a participar de um JOGO. Não foi chamada para uma novela. E em jogo o que se espera do jogador? No caso do BBB a resposta fica por conta da Lia. Que saiu domingo pedindo que vissemos o BBB como a vida, contradizendo o dono da bodega que prega incessantemente que aquilo é um jogo.
Não, eu não quero dizer que Tess jogou melhor que Lia. Tanto não, que afirmo com todas as letras que ela errou ao confiar que a gente aqui de fora entenderia suas jogadas. A gente viu as suas jogadas. A edição mostrou seus passos, nos deixou ouvir seus pensamentos, mas aos olhos dos donos da verdade, traduzir o que não se quer ver é falsidade, é deboche.  
Quem assiste ao BBB como um jogo, viu que a Tess amedrontou a Lia. Que antes dela, escolheu o adjetivo mais duro contra si na leitura óbvia de que o bonitinho, tchutchuco ou o limpinho, não guardariam a imunidade na segunda semana de programa.
A Lia assistia ao BBB. Ela era uma BBBóloga e, como nós, não teve dificuldade para identificar em Tessália a principal ameaça ao jogo que ela pretendia desenvolver na casa. O jogo sujo com jeito de limpo. O jogo do interesse, de quem só olhava na cara do Mika quando ele era líder. E quanto olhava, credo.
Foi pela Tess que fomos alertado sobre Cacau Godiva ser uma boa aliada. Na primeira semana, ao comentar com seu escudeiro sobre a indicação de Serginho, Tess disse: Se eu soubesse, teria dito a ele que ela pode ser uma boa aliada.
A Tess não precisou de cartinha para desvendar a Fefê Caps Lock. Não me esqueço do Pink tentando se enganar o tempo inteiro para não admitir que tinha razão o Cérebro ao dizer que ela dava em cima dele e de todos.
Ao contrário do que a gente possa imaginar, Tess afirmou na segunda semana que o BBB naquele momento era colorido. E era. Dias depois, a prova do líder trazia a opinião do público sobre a jornada dos Bees e da Morango, quando os coloridos foram os mais votados em tudo o que para eles poderia parecer bom.
Também foi Tessália quem primeiro se aproximou de Marcelo Dourado reconhecendo nele o valor de quem já esteve por lá. Propôs, mais um vez em cumplicidade conosco, que ele a convocasse para o jogo, logo após uma explanação em que Marcelo dizia que em algum momento os votos teriam de ser combinados.
Ah, a Tessália foi a amiga da nossa Diva Pipoca. Sentiu um orgulho danado ao vencer a Doutora no Xadrez e não pestanejou ao dizer isso no primeiro “ao vivo” do ano. Tess ensinou à Lena que mesmo lá dentro a pessoa pode perceber quem está ao seu lado de coração, sem que para isso tenha que dizer que é melhor amiga de infância dela. E quando Lena duvidou, em uma das mais deliciosas conversas de pé de ouvido do BBB10, ouviu de Tess: Tudo bem, se você não acredita em mim eu não posso fazer nada, um dia você vai saber. Lena fez. Chamou Tess pra um abraço e um chamego debaixo do edredon.
Humm e por falar em edredon… Tess nos apresentou o pateta mais pateta e adorável do mundo. O desengonçado loirinho e riquinho que atabalhoadamente se colocou na posição de vingador após a saída da namorada, mas que não conseguiu despertar raiva nem em Lia, seu desafeto.
Eu sou contrário a quem diz que o BBB10 tenha girado em torno de Marcelo. Aqui fora sim, mas ele próprio protagonizou apenas uma história. A destruição pública da Morango. O BBB10 girou em torno de Lia, aquela que fingindo ser o que não é fundamentou mais uma das “professálias” de que toda mentira repetida mil vezes passa a ser uma verdade. Assim foi com Alex, Uil, Lena, Cacau e Eli que sentiram o peso da massa feita em manobra pela pessoa mais vil de todas as edições.
Mas não é falando de Lia que termina a eliminação da Tess. A retrospectiva da Tess termina valorizando uma pessoa que entrou no jogo sem se rebaixar ao jogo. Sem trazer seu cotidiano particular para a televisão. Termina falando de uma pessoa que se respeitou, que respeitou sua filha, família e que aqui fora, por um bando de abutres foi desrespeitada e viu o desrespeito atingir àqueles a quem ela protegeu lá dentro.
É dessas pessoas e para essas pessoas que terminamos o papo sobre a Tess. Para quem hoje twitta dizendo que deveria tê-la escutado.
PS: A gente ainda não conhecia o Imacro😦 Depois disso, enfiamos no saco da Lia 39.560.000 votos, muito mais do que os 78% de 30 milhões que Tess levou em seu paredão.


From → bbb10, realityMundi

Leave a Comment

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: